quarta-feira, 27 de julho de 2016

Fada Do Absinto

Dizem que as fadas não existem
Então, o que faz uma, aqui?
Não importa as mágoas que persistem
Pois ela canta sublime para mim

E assim, o meu coração...
Enche-se de graça ao vê-la bailar
Enquanto, Eu jazo no chão...
Bêbado a delirar

Oh, fada esmeralda e santa
Que pairas divina pela brisa
Com essas asas, Tu me encantas
E com esses olhos, Tu me hipnotizas

Então, vem! Beija o meu rosto!
E livrai-me deste desassossego!
Pois não ver-te causa-me desgosto
E é por isso, qu'Eu tanto bebo

Porque às vezes custa-me a crêr
Logo, guio-me pelo meu instinto
E é por isso qu'eu tendo a beber
Para ver-te, oh fada do absinto

Blackiezato Ravenspawn

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Homo Machina

Cercado por tanta tecnologia
Ao som do ruído das máquinas
Que ressoa sem fim todos os dias
Como se fossem serras e lâminas

Toda a gente é um robô
Como toda a gente tem um telemóvel
Toda a gente é um bobo
Que acha mover-se quando está imóvel

Eu já não sinto a minh'alma cheia
Eu só sinto a carga da corrente
Que me corre pulsante pelas veias
E que me deixa excitado e demente

A minha cabeça está cheia de publicidade
O meu corpo de toxinas industriais
O sangue sobrecarregado de electricidade
E os meus olhos de pixeis digitais

Eu às vezes perco o controlo
Como também perco a memória
E acabo por seguir o protocolo
Por não ter vontade própria

Eu quero ficar à tua mercê
Eu desejo sentir-me conectado
Deixa-me ligar o meu cabo USB
E partilhar-te os meus dados

Mais um bebé, mais um peão
Mais um homo machina a sair,
Da linha de produção
Para se auto-destruir

Mais um homem, mais um clone
Mais um parasita, mais uma barata,
Mais um contribuinte, mais um drone
Em direcção à sucata

Blackiezato Ravenspawn

Comida Chinesa I - Febre Amarela

Deleito-me com doces sonhos húmidos,
Cozinhados à antiga forma oriental.
Temperados com os desejos púdicos
Que existem submersos no arrozal.

- Que Sensação suave, embora'sporádica
Ver-te nua numa malga de porcelana!
A quantidade de volúpia aromática
Que me cativa e me possui com gana

E só de olhar, Eu transpiro de calor
E sem hesitar, Eu deito-me ao teu leito.
Enquanto inspiro o teu saboroso vapor
Como se tratasse d'uma Lotus ao peito.

E é completamente seduzido qu'Eu suspiro,
Só com uma pequena amostra da panela.
Apesar de não ser verdade, só um delirio
Pois estou enfermo com febre amarela.

Blackiezato Ravenspawn

terça-feira, 19 de julho de 2016

Vida

Nada carpa, nada-nada
Nada contra a corrente,
Enquanto sobes a cascata
Em direcção à nascente.

Voa gaivota, voa-voa
Voa por cima da ponte,
E leva o barco pela popa
De volta ao horizonte.

Corre cavalo, corre-corre
Corre livre pelo prado,
Lembrai-vos que sois nobre
E não do homem, escravo.

Canta miúdo, canta-canta
Não fiques aí tristonho,
Pois cada lágrima que derramas
É um fragmento d'um sonho.

Sorri velho, sorri-sorri
Não sejas assim tão sério,
Ainda existe vida em ti
Se olhares além do cemitério.

Blackiezato Ravenspawn

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Lago Das Fadas

Deixa pegar na tua cabeça
E mergulha-la debaixo d'água
Para afogar a tua incerteza
Com o resto da tua mágoa

Pois, este é o teu baptismo
Por isso, esquece a tua vida passada
Porque a agora meu amigo
Tu reencarnaste numa fada

Levanta agora a tua cabeça
Abre os olhos, respira fundo
E contempla a derradeira beleza
Que existe no nosso mundo

Pois, Este é o teu baptismo
A ressurreição da tua alma
Onde nós te trazemos do abismo
Para junto do lago das fadas

domingo, 10 de julho de 2016

Lágrimas D'Elfo

Os humanos têm o coração rijo que nem pedra
Polido pelo capitalismo, tornado em mármore
São os invasores que ameaçam a floresta
Enquanto os nativos se agarram as árvores

Só a terra sabe o quanto custa
E só o céu sabe o quanto doí
Ouvir o som da máquina robusta
Que pilha e que tanto destrói

As fadas tornam-se em cinzas
O espíritio deixa de ser eterno
E dos meus olhos saem lindas
Embora tristes, lágrimas d'Elfo

A ganância humana não finda
Arde como as piras do inferno
E dos meus olhos saem lindas
Embora tristes, lágrimas d'Elfo

Blackiezato Ravenspawn