segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Depressão Sazonal (Flores De Cristal)

O Sol Dourado perde a intensidade
As nuvens cinzentas cobrem o horizonte
O meu corpo enche-se d'humidade
E a minh'alma ao frio se esconde

O meu cabelo como uma flor, murcha e cai
Com o peso divino da chuva,
E numa busca de atrair a luz que se esvai
Perde a cor e fica escura

É o regresso da depressão sazonal
Que de novo me volta visitar
Sempre envolta no seu manto glacial
Dá a volta ao mundo para nos alertar

- Que para existir criação, tem de haver morte
- É o ciclo da vida, a lei do céu e da terra
Mas, Eu não me ralo, pois a semente é forte
E brotará outra vez, na primavera

E é enchendo-me de nostalgia que sucumbo ao sono
E é sobre a mão dos elementos qu'Eu hiberno
Acabando a sonambular como um morto-vivo no outono
Até morrer mais tarde nos portões do inverno

- Porque para existir criação tem de haver morte
- É o ciclo da vida, a lei do céu e da terra
Mas, Eu não me ralo, pois a semente é forte
E brotará outra vez, na primavera

Porque todas as flores de cristal
Filhas do vento-frio e da água
São congeladas pelo toque invernal
Para morrerem, mas, não sentirem mágoa

Porque todas as flores de cristal
Que no inverno se atreveram a nascer
São expostas à depressão sazonal
Até ao dia que o gelo começar a derreter

Blackiezato Ravenspawn

Sem comentários:

Enviar um comentário