segunda-feira, 17 de julho de 2017

Uma Árvore Chamada Penumbra

O olho de Deus arde no alto céu
E contempla-nos com rancor
Eu limpo a testa e meto o chapéu
Pois está imenso calor

E é com as suas mãos quentes
Qu'Ele seduz e despe os mortais
Para mostrar a toda a gente
Que debaixo dele, somos todos iguais

E enquanto isso, o meu palácio de gelo
Derrete sobre a vontade do magno Sol
E as gotas d'água escorrem do meu cabelo
Para o resto do meu corpo mole

A minha garganta fica seca
A minha pele torna-se escura
E a minh'alma de canela e seda
Vira gárgula estática e torna-se dura

Por isso, levem para onde a luz não me possa tocar
Para longe do El'dourado e da sua fortuna
Para o lugar onde Eu possa finalmente descansar
Debaixo dessa árvore, a qu'Eu chamo, Penumbra

Blackiezato Ravenspawn